página inicial
letras e afins
entrevistas
depoimentos
ouvir
um video
fotografias
mural
contatos

 



indagações – 1995 / 1997

enseada

perdoa, é necessário que se esqueça
o anseio desse toque...ainda
todo o fel derramado e as cortinas
que devassam a calmaria desses versos
anoitece tua aurora, nem o resplendor
da enseada pra fingir

nem que todas as preces resgatem
teu sagrado e híbrido coração
nem que a passagem desse tempo
impeça a nossa última comunhão
nem que de algum lugar dessa cidade
eu alcançasse o céu e respirasse!
salve são sebastião, somos sebastiões
e aquela parte
salve são sebastião, somos sebastiões
negue a saudade

escrevo aquela ausência
te desconheci em multidões
se ofereça ao sacrifício
me abraça, ainda é tempo

minha dor não escolhe hora, só o temor
dessa falta pra fugir

mesmo que todos os pães trouxessem
seu profícuo e lindo corpo
mesmo que o sangue de ti fosse vinho
bálsamo torpor de novo
mesmo que uma parte de minh’alma
achasse a cura e se salvasse...
morre são sebastião, sou sebastião
só e em partes
morre são sebastião, sou sebastião
morro de saudade
morre...

música e letra marcelo gargaglione e luis maffei

marcelo gargaglione canto

luis maffei violão

luizão bastos percussão

Gravação realizada no Estúdio Usina, nos dias 02, 05, 09 e 10 de julho de 1997
Técnico de Gravação: Ricardo Calafate

Transcrição de DAT (Tascam DA-30 DAT Recorder) e masterização de áudio – Haikal Studio



o anti-fausto 

o artista ignora o louco à espreita
a luz não demora a avisá-lo da deixa
tudo é ilusão, paris ou rio, frio, frio...
certeza é a máscara vencendo um turbilhão vazio
frágil e possesso, há de se saber onde acaba a cena
ou o cenário imposto pelo mecenas
copa é lúdica no teu cantar
sabe a hora de se retirar
as rusgas com a musa que já foi,
impressas nas tuas rugas e o que vem...não importa!
não há mais maquiagem, do palco já não precisa,
caminha pelo leblon e o dia nasceu.
com uns trocados na mão, flores comprou, alma nunca vendeu,
num quarto tudo acabou.

música e letra luis maffei e marcelo gargaglione

luis maffei violão

marcelo gargaglione canto

Gravação realizada no Estúdio Usina, nos dias 02, 05, 09 e 10 de julho de 1997

Técnico de Gravação: Ricardo Calafate

Transcrição de DAT (Tascam DA-30 DAT Recorder) e masterização de áudio – Haikal Studio



essas águas mais puras

que entre por todas as portas do corpo,
por todos os rios de alma
o sagrado direito de eu sentir mais dor,
me sentir mais só.

de toda a angústia do homem
saber que viver é uma arte
de aprender a estar só, de aprender a dor, de prender a voz.
sigo nessa busca que me inflama de esperança,
que me faz perder a voz.

única, como um sonho que encanta a morte senhora...
vem, visita, fica um pouco, torna essas águas mais puras.

nunca mais,
nem os poucos resquícios da chama,
nem o azul desse céu revigora,
nos lugares do tempo eterno estarei mais só.

música e letra marcelo gargaglione e luis maffei

marcelo gargaglione canto

luis maffei violão

Gravação realizada no Estúdio Usina, nos dias 02, 05, 09 e 10 de julho de 1997

Técnico de Gravação: Ricardo Calafate

Transcrição de DAT (Tascam DA-30 DAT Recorder) e masterização de áudio – Haikal Studio



permanente panaceia

aqui onde passava um rio
passam teus passos no meu ritmo, no meu risco
sobre o risco da palmeira, da palavra
por teu riso, rezo em gritos,
morro, pélo e ressuscito
reinvento a rima rica do teu sempre

ali, onde o rio é perene
pouso meus restos, quanto mais é mais bonito
sinto a raiva das relíquias, dos ruídos
por meu riso, rezo em crimes
mato, pélo e regozijo
recoloco a rima rica no vazio

ali onde esse rio é lixo
passa o tempo renitente, reticente e mais renhido
sobrevoo o céu aberto, os riscos risco
poluindo a água em rímel
manto, pele, romarias
remanejo a rima esdrúxula em perigo

ali onde passaras rica
passarinhos recomeçam as despedidas
sobre o voo não te transmito, o risco é lindo
panaceia o mais que mires
monto os pelos, reticências
reconcebo a ruiva face do teu mito

música e letra luis maffei e marcelo gargaglione

luis maffei violão

marcelo gargaglione canto

Gravação realizada no Estúdio Usina, nos dias 02, 05, 09 e 10 de julho de 1997

Técnico de Gravação: Ricardo Calafate

Transcrição de DAT (Tascam DA-30 DAT Recorder) e masterização de áudio – Haikal Studio



o convento

perde a vontade, não é a rua que te corta
simples corpo num espaço paralelo a outro fim e recomeço.
a navalha vem das mãos de um anjo
não és visto, nessa vida observa
pobres loucos apedrejados por crianças.
eu queria entender a santidade dos proscritos,
dos que tem corpo fechado.
os sinceros vagabundos, os seus prantos sem amparo.

nessa noite um estranho visionário encontrou a resposta do mistério.

a lâmina eterna da saudade, o corte visceral...por quê?
lânguidas são as preces, a carne isenta do que se oferece.
chega a minha vez de dar a cara a tapa, jogam água e lama em meu corpo.

nesse dia quero efêmera passagem, meu salvador, a multidão me absorve.

música e letra marcelo gargaglione e luis maffei

marcelo gargaglione canto

luis maffei violão

Gravação realizada no Estúdio Usina, nos dias 02, 05, 09 e 10 de julho de 1997

Técnico de Gravação: Ricardo Calafate

Transcrição de DAT (Tascam DA-30 DAT Recorder) e masterização de áudio – Haikal Studio



balneário

o que era a síntese do amanhã
a chuva lenta deitaria fora
a angústia imensa de quem lhe adora
um raio ilumina sua face
desmascaram-se as velas e descobre o mistério
seu vestido de noiva mofado ainda
merece aquele passado...
coisas de mulher presas à análise dos mortos
procura a paixão, na ignorância a retenção
do olhar dos vivos lhe vigia
furiosa absorção, sempre a noite o vazio torto...
qualquer mulher, aquele homem...
e uma menina que jamais esqueceu a beleza roubada
que você lhe deu,
naqueles dias a janela sem cortina
o que era um olhar de sublimação
ainda hoje mesma mirada nas curvas densas do
balneário
vem o amado com seus passos que não levam àquela
amada, que não assalta o ar da morna tarde
nos azuis de cada esquina, mesmo aquelas esquecidas
a cidade faz com que não esqueça
o que será só ontem e nunca mais
o sol batendo numa janela
acorda o signo do nome dela.

música e letra luis maffei e Marcelo gargaglione

luis maffei violão

marcelo gargaglione canto

Gravação realizada no Estúdio Usina, nos dias 02, 05, 09 e 10 de julho de 1997

Técnico de Gravação: Ricardo Calafate

Transcrição de DAT (Tascam DA-30 DAT Recorder) e masterização de áudio – Haikal Studio



dores do sul

longe dos olhos e da acolhida
colho os seus olhos na despedida
olho na veia da nossa origem
molho a cabeça nessa fuligem
cordilhos passos na ribanceira
tolhido alcance dessas bandeiras
lhama, café, prata e poesia
voz de caudilhos, terra vazia
moças na estrada protegendo a matilha
uma, sentinela do que era a minha armadilha
de amor... ela sorriu com a mesma flor
na margem azul onde a lançou
pra água brilhar num cio
e o céu me imitar num anuvio
pérdidas vuelan en mi mirada
(la libertad que habla)
ruego en mis sueños por mi amada
(la libertad que tarda)
el sol és claro y implacable
mi fé cobarde tan venerable  
(la libertad que falla)
rojo el color de la sangre buena  
(la libertad que falta)
mi deseo por ella bajo la pena
(la libertad que marca)
lucha el luchador sin ningun corage
los amores muertos em el paisage
(la libertad que habla)
seus cabelos: negros, sua herança: resistência
sua tez morena, suas juras de inocência
pro amor... a me encantar, guarânia voz
para aclarar nada entre nós
além do lago azul
e eu a viajar com as dores do sul
desejando o voo, preso à castidade
meu sorriso chora por liberdade

música e letra marcelo gargaglione e luis maffei

marcelo gargaglione canto e palmas

luis maffei violão, canto e palmas

luizão bastos palmas

Gravação realizada no Estúdio Usina, nos dias 02, 05, 09 e 10 de julho de 1997

Técnico de Gravação: Ricardo Calafate

Transcrição de DAT (Tascam DA-30 DAT Recorder) e masterização de áudio – Haikal Studio



idílio e cangalha

quero a pantomima
é o refúgio de nossa farsa
água gasosa pra quem não goza
a terra curtida, a pele curtida
já não há mais o que contemplar
mambembes de um fogo ardente
que consome o céu, que consome o mar,
que não deixa amar...
duas lágrimas molham o solo ao deus-dará
é o refrigério de nossas mentes
gotas escassas para abrolhar
por que toda essa penitência?
as estrelas do agreste são tão belas pra olhar
o circo amalgamou nossas vidas,
sob a maquiagem, no entanto, só feridas
vou te deixar em petrolina.
o sol nos conduz para um número sem picadeiro
onde nunca existiu essa tal benção de padroeiro
teu maldito cheiro de flor, no luar jaz
pela última vez, pela última vez, juazeiro.
imensidão...determina o descanso da
lida, apazigua o mote da vida, os lamentos escondem
sinfonias de amores perdidos
impede a emancipação
que o poderoso padeça na morte
e a justiça seja feita pelo povo do sertão
porque ninguém faz, porque ninguém quer...

música e letra luis maffei e marcelo gargaglioe

luis maffei violão

marcelo gargaglione canto

Gravação realizada no Estúdio Usina, nos dias 02, 05, 09 e 10 de julho de 1997

Técnico de Gravação: Ricardo Calafate

Transcrição de DAT (Tascam DA-30 DAT Recorder) e masterização de áudio – Haikal Studio



angola

idealize em você a alegria da oceânica brisa do fastio
de quem como uma ilha deposita todo o amor que se partilha
esses passos são do mar
correntes que navego
só é permitida a jornada desse barco
naquele espaço onde a lua fez o mar brilhar.

e se aquela baía revelasse sob as águas seu olhar...
sereia compele meu passado em garrafas pra servir outros
amantes, outros portos, algum lugar.

música e letra marcelo gargaglione e luis maffei

marcelo gargaglione canto

luis maffei violão

luizão bastos percussão

Gravação realizada no Estúdio Usina, nos dias 02, 05, 09 e 10 de julho de 1997

Técnico de Gravação: Ricardo Calafate

Transcrição de DAT (Tascam DA-30 DAT Recorder) e masterização de áudio – Haikal Studio



as três marias

noiva brasileira, minha noiva em verso e canto
me permito falar algo de você
alva, soberana, pele negra a cor dos olhos
dor pungente, rosa em flor ao natural
lume, criatura, meu deslumbre, amar...

leve como o chumbo
os domínios do meu peito não tem dono,
não tem pressa de alcançar

noiva lusitana, de primórdios céu afora
pai e mãe, traço infinito, original
meiga como os passos, os trajetos de pessoas
uma vida que a mim presenteou
breu apaixonante, distintivo, amar...

farol de luz breve
que se acende aquém-mar na mesma perda
relampeja, ó limiar

noiva americana, de conquistas sepultadas
lembro os matagais vermelhos
traz de volta o libertário
se apresente em campo aberto, florestas,
cordilheiras e desertos
vai sem cortesia, oceano, amar...

música e letra luis maffei e marcelo gargaglione

luis maffei violão

marcelo gargaglione canto

Gravação realizada no Estúdio Usina, nos dias 02, 05, 09 e 10 de julho de 1997

Técnico de Gravação: Ricardo Calafate

Transcrição de DAT (Tascam DA-30 DAT Recorder) e masterização de áudio – Haikal Studio



a outra visão do secreto

ou então...
só me restam rumos poucos, o infinito, outra cidade
outra visão do secreto
bem-vinda a penumbra, tempo nas mãos
algo eu descortino no inverso do que sinto
palavra perdida
lua lenta, mãe do meu silêncio

sei que todas as veredas
que hora passam por quem sem encontra
me confessam que sim, olhar que vela,
mais estrelas noutro quadro, noutro canto,
choram pela minha falta
ou então,

mesmo pequeno eu percorro com a voz
o que fica
recorro à canção

pode ser um rumo pouco o infinito noutra cidade
me avisando o secreto
bem-vinda a paisagem, tudo nas mãos

música e letra marcelo gargaglione e luis maffei

marcelo gargaglione canto

luis maffei violão

Gravação realizada no Estúdio da Rádio MEC, Rio de Janeiro, no dia 27 de julho de 1996

Técnico de Gravação: Aírson Nogueira

Transcrição de DAT (Tascam DA-30 DAT Recorder) e masterização de áudio – Haikal Studio



valsa de retalhos

permissão que não me é dada
as estrelas se dissipam na baía da cidade
sublimei minha vontade
restaurei um terno sujo
mas perdi o inevitável
enxergo agora, oferecem suas desculpas
decantado até

amanhecer
mar de mistérios e segredos
estrelas, meu passado, meu desejo, minha
vida
silêncio, meus retalhos
desde quando eu me perdi

me acompanha
na memória
valsa-história

música e letra luis maffei e marcelo gargaglione

luis maffei violão

marcelo gargaglione canto

Gravação realizada no Estúdio da Rádio MEC, Rio de Janeiro, no dia 27 de julho de 1996

Técnico de Gravação: Aírson Nogueira

Transcrição de DAT (Tascam DA-30 DAT Recorder) e masterização de áudio – Haikal Studio



as encostas

percebam nessas marcas a ferida
não alcancei, não revivi
as cisões tão profundas qual
uma certa rocha iluminada
a soltar pedaços insuspeitos
carregados pela noite inchada

não dá pra encontrar quem esteve na laje
nem que os deuses catalães os trouxessem de
volta
a pedra que mora na frente de casa
uma babilônia que fura minh’alma
uma gota de sangue de um verbo passado
encerra uma fase de frases erradas
carregadas pela noite inchada

como é que eu me transporto
nesse tempo poluído
pelas chamas de anteontem
e esses deuses surdos, insensatos
formidáveis como seres mortos

música e letra marcelo gargaglione e luis maffei

marcelo gargaglione canto

luis maffei violão

Gravação realizada no Estúdio da Rádio MEC, Rio de Janeiro, no dia 27 de julho de 1996

Técnico de Gravação: Aírson Nogueira

Transcrição de DAT (Tascam DA-30 DAT Recorder) e masterização de áudio – Haikal Studio



nuvens

foge
sem sequer pronunciar aquela palavra
belas histórias de um terrível acidente
por que a cama toda feita?
tanto nexo, pouca inquietude
transfere essa pretensão
essa maldita atitude
projeta o teu coração
nas nuvens

desce
reconhece minha sina e se comove
sua alegria combalindo minha sorte
minha procura invasora
tanta luta, frágil agonia
desarma a minha inspiração
devolve nossa plenitude
projeta o teu coração nas nuvens

música e letra luis maffei e marcelo gargaglione

luis maffei violão

marcelo gargaglione canto

Gravação realizada no Estúdio da Rádio MEC, Rio de Janeiro, no dia 27 de julho de 1996

Técnico de Gravação: Aírson Nogueira

Transcrição de DAT (Tascam DA-30 DAT Recorder) e masterização de áudio – Haikal Studio



a última vontade

traz essas divindades
movidas pelas mais
vertiginosas metades
traz o que já escapa
freado pelas
tortuosas dádivas

rapto, vem não mais me percorre
rápido, este teu modelo já não me escorre
rapto, a tua dança negra inexata
rápido, antes que a música acabe

antes que vá deixe a pena
fragmentada esta ideia
a onda no mar não vigia
um vazio no ar nesta queda

traz essa unidade
querida pelo mais
tortuoso dos homens
vai, por favor escapa antes que eu perca mais
e mais a última vontade

música e letra marcelo gargaglione e luis maffei

marcelo gargaglione canto

luis maffei violão

Gravação realizada no Estúdio da Rádio MEC, Rio de Janeiro, no dia 27 de julho de 1996

Técnico de Gravação: Aírson Nogueira

Transcrição de DAT (Tascam DA-30 DAT Recorder) e masterização de áudio – Haikal Studio



equações inexatas

eternizo tua imagem
mesmo que por dois momentos
docemente, mensageiros
da mais linda verdade
reverenciada por um toque meu
desejo dissipado

palavras iluminam
meus vestígios de compreensão
toda noite é divina
quando você caminha
por todas as equações inexatas
mal resolvidas pelas sínteses que encontro
para definir todos os momentos
que um dia talvez
julguei existir

fugazes são esses motivos
que você insiste em dar
através de subterfúgios
e cabelos tênues insistem em ocultar
o que de melhor aconteceu
no interior dos tempos
que meu vício esqueceu:
teu olhar

música e letra luis maffei e marcelo gargaglione

luis maffei violão

marcelo gargaglione canto

Gravação realizada no Estúdio da Rádio MEC, Rio de Janeiro, no dia 27 de julho de 1996

Técnico de Gravação: Aírson Nogueira

Transcrição de DAT (Tascam DA-30 DAT Recorder) e masterização de áudio – Haikal Studio



dia do adeus

coisas como o breu,
vivi
confesso que chorei
não me esqueci
as palavras confusas do dia do adeus

viva como a flor,
que abriu
a saudade trafega em meu ar
não sei se devo chorar
outra vez o que vi na manhã do adeus

mas do que só, em falta
mais uma vez, sem nada
sem amparo, sem carícia
minha vida sem você

preso a um lugar,
lembrei
o acalanto e o sonho partiu
calei, desilusão
outra vez revivi a tristeza do adeus

como você faz falta
sem seu amor, sou nada
inibidos, imprecisos
são meus dias sem você

música e letra marcelo gargaglione e luis maffei

marcelo gargaglione canto

luis maffei violão

Gravação realizada no Estúdio da Rádio MEC, Rio de Janeiro, no dia 27 de julho de 1996

Técnico de Gravação: Aírson Nogueira

Transcrição de DAT (Tascam DA-30 DAT Recorder) e masterização de áudio – Haikal Studio



entre o tejo e a guanabara

como formas mais lindas que lembranças
eu resgato tuas mãos
o contorno da escultura que é esse laço
por nós feito tende a se perpetuar

destino pouco amigo da tristeza
como um rio de alegria vou ao teu olhar
no encontro de euforia, meu navio
ainda hoje vai buscando descobrir você,
seus mistérios, terra boa pra ancorar
porto firme onde minha fantasia se plantando dá

eu sempre procurei pelas vazantes
como eterno navegante, sem ter hora pra chegar
indo de cais em cais

mas agora fico sempre nos seus braços
minha guitarra em seu cansaço põe a cama pra eu te amar

mulher de destemidas aventuras
descansa em meu peito frente ao mar
repouso minha vela, deixo o frio
pra meus toques o seu corpo é virginal

entre o tejo e a guanabara
a nossa estória abriu seu véu
e hoje sei que a minha sorte é que a teu norte
encontrei o céu

música e letra luis maffei e marcelo gargaglione

luis maffei violão

marcelo gargaglione canto

Gravação realizada no Estúdio da Rádio MEC, Rio de Janeiro, no dia 27 de julho de 1996

Técnico de Gravação: Aírson Nogueira

Transcrição de DAT (Tascam DA-30 DAT Recorder) e masterização de áudio – Haikal Studio



todo esse segredo

tranquilidade bucólica invade todo esse meu
segredo acumulado no espaço fixado do tempo
que secou
o sangue que jorra como o fluxo do mar

as flores no chão, um olhar desviado
o álcool lascivo, companheiro, amigo
teu afago, teu som

endoidece o perfume da noite surgindo
as ondas batendo, o rio é tão lindo
em minha memória você toda borrada de batom
o ônibus correndo, atropelando movimentos
e eu sentindo aquele frio de um momento
que ficou, que ficou...

sabendo disso eu esqueço, a memória vaga
em corpos diferentes, e você volta toda em meus pensamentos
em meus sonhos mais perfeitos de horror

clara, joia rara
de um passado tão distante e tão presente
ao menos diz que existiu
esse devaneio, esse acalanto
essa história louca, essa canção sutil

música e letra marcelo gargaglione e luis maffei

marcelo gargaglione canto

luis maffei violão

Gravação realizada no Estúdio da Rádio MEC, Rio de Janeiro, no dia 27 de julho de 1996

Técnico de Gravação: Aírson Nogueira

Transcrição de DAT (Tascam DA-30 DAT Recorder) e masterização de áudio – Haikal Studio



acalanto sem volta

reciprocidade quase nunca existe
é sinônimo de fantasia
utopia quase sempre vencida
pela realidade do que nunca existiu
este gosto amargo na boca, esta vontade muito,
muito louca
vontade que a própria razão desconhece
ilusão que se perde
como o chão de estrelas das noites de outrora
um ato de loucura singela
o poeta procura, já não existem mais janelas
nem o doce devaneio estonteante
da inocência que se perde num acalanto
ofereço flores para a eternidade
aos amores que o luar parece agradecer
vou morrendo e renascendo a cada dia
como um sorriso iluminado de criança
vou morrendo e renascendo a cada dia
enquanto houver toda a ternura da esperança

música e letra luis maffei e marcelo gargaglione

luis maffei violão

marcelo gargaglione canto

Gravação realizada no Estúdio da Rádio MEC, Rio de Janeiro, no dia 27 de julho de 1996

Técnico de Gravação: Aírson Nogueira

Transcrição de DAT (Tascam DA-30 DAT Recorder) e masterização de áudio – Haikal Studio



simultaneamente

antes                   agora
boca                    beijo
braços                 abraços

sede de pescoço
mar de lágrima
rio de sangue
correndo coxas
choro de saliva
boca bebendo
lágrima alegre

cristo redentor no escuro
pela janela transparente
enquanto seus seios mastigam meus dentes

nua, suada
em ritmo de mão
virando garra
sexo virando gozo
língua virando cama

fome de língua
onde deito meu gozo

música e letra marcelo gargaglione e luis maffei

marcelo gargaglione canto

luis maffei violão

Gravação realizada no Estúdio da Rádio MEC, Rio de Janeiro, no dia 27 de julho de 1996

Técnico de Gravação: Aírson Nogueira

Transcrição de DAT (Tascam DA-30 DAT Recorder) e masterização de áudio – Haikal Studio



azaleia amarela

amar é forjar madeira nua
e cortar o fogo multiplicando chamas
amar é nadar no tapete de grama
fazendo árvore virar cama
e meus olhos como seu espelho

amar é verbo substantivo
frase perfeita em mundo imperfeito
um susto em lençóis de desabafo

amar é azaleia amarela
que eu prendo na lapela pra te dar
amar é azaleia amarela
que eu trago tatuada em corpo pra você molhar
com gosto, boca, cio
nuca, pele, dedos pra se enraizar

amar é plantar desafio
em mares sem navios
colhendo ventos para vencer a resistência
da falta que faz se afogar

amar é colher antes do plantio
naufrago em terra de cego
amar é ouvir seus sonhos, rasgar seus pesadelos
e caminhar sem pés pelos pêlos da sua vida

cobrir as noites de cabelos pra atender aos seus apelos
sem cumprir obrigação
amar, rodar, acordar
acelerar sem palpitação

amar é azaleia amarela
que eu trago tatuada em corpo pra você molhar
com gosto, boca, cio
nuca, pele, dedos pra se enraizar

música e letra luis maffei e marcelo gargaglione

luis maffei violão

marcelo gargaglione canto

Gravação realizada no Estúdio da Rádio MEC, Rio de Janeiro, no dia 27 de julho de 1996

Técnico de Gravação: Aírson Nogueira

Transcrição de DAT (Tascam DA-30 DAT Recorder) e masterização de áudio – Haikal Studio



lídia

luzes não eram nada e o nada
mitificado, mitificado

escuro no palco do medo
a crítica dos bufões passará por
desígnio

só arremedos no ouvido do povo
que velho maldito contou essa
história?!

ele previu a garganta do homem
espoliada no vil instrumento
homens de terno em lugar de feitores
com disfarces fazem seus filhos
bastardos

eu vejo crianças com riso na cara
caipiras falando de amor desgraçado
o mundo ouviria melhor fosse surdo
‘se samba onde o velho tem co-autoria

samba que é samba faz o que deve

música e letra marcelo gargaglione e luis maffei

marcelo gargaglione canto

luis maffei violão

Gravação realizada no Estúdio da Rádio MEC, Rio de Janeiro, no dia 27 de julho de 1996

Técnico de Gravação: Aírson Nogueira

Transcrição de DAT (Tascam DA-30 DAT Recorder) e masterização de áudio – Haikal Studio



todo esse segredo (versão com guitarra)

Gravação registrada originalmente em fita cassete e restaurada no Haikal Studio.

música e letra luis maffei e marcelo gargaglione

arranjo marcelo gargaglione, luis maffei e atman shalders

luis maffei  violão

marcelo gargaglione  canto

atman shalders  guitarra elétrica: gibson les paul custom



voltar